307834-disrupcao-digital-como-ela-afeta-a-forma-de-treinar-os-colaboradores
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Disrupção digital: como ela afeta a forma de treinar os colaboradores?

Em um passado nem tão distante assim, suprir nossas necessidades era bem mais difícil. Quando queríamos uma pizza, precisávamos sair de casa. Quando precisávamos falar com alguém distante, sem gastar com ligações interurbanas, a solução era enviar uma carta. Hoje, graças à disrupção digital, resolvemos esses problemas em apenas alguns cliques.

Parece estranho, mas, na época, houve quem desconfiasse de que em tão pouco tempo chegaríamos à tanta modernidade e facilidade. No entanto, para que tudo desse certo, muitos de nós precisamos aceitar as transformações e nos adaptar.

Empresas precisaram deixar de lado, por exemplo, a máquina de escrever, e trocá-la pelo computador. Depois, a internet discada foi substituída pelos avanços do Wi-Fi. Já os trabalhadores precisaram renovar suas competências para atender às novas exigências. Isso tudo implicou, também, em muitas mudanças no modo de treinar e capacitar colaboradores.

Continue a leitura, entenda um pouco mais sobre a disrupção digital e as vantagens da empresa ao contar com ferramentas modernas!

O que é a disrupção digital e são quais seus impactos nas empresas?

A disrupção digital tem um sentido de otimizar funções por meio da tecnologia. É o ato de andar a favor da transformação digital, aceitando as mudanças e implementando as melhorias trazidas por ela.

Não é difícil perceber que tais transformações exercem impactos em diversos sentidos, como financeiro, no modo de fazer as coisas, legislação, cultura. A partir disso, é incontestável que as empresas sofram influências também. Até porque elas precisam se adequar às circunstâncias para haver sobrevivência.

Isso tudo trouxe novas possibilidades de negócios. Existem, por exemplo, muitas empresas apenas digitais, diversos trabalhos têm sido realizados em home office e mesmo as organizações físicas já contam com o apoio de tecnologias para aprimorar suas entregas. Softwares de CRM (Customer Relationship Management), armazenamento em nuvem, Internet das Coisas, Big Data e Machine Learning são alguns dos exemplos nesse sentido.

As consequências podemos perceber no aumento da produtividade, na criação de serviços com mais valor, na maior flexibilidade, no aumento da satisfação dos clientes e na necessidade de o colaborador buscar se atualizar de forma constante.

Como essa evolução afeta a forma de treinar e capacitar colaboradores?

Todo o modo de atuar na Gestão de Pessoas sofre os efeitos advindos da disrupção digital. Se, antes, muitos processos eram realizados de modo mecânico, levando em conta apenas os ganhos financeiros que a empresa teria, hoje, isso não tem mais sentido.

A partir da Era da Informação, houve mais valorização da atuação estratégica, intensificou-se a competitividade, o conhecimento passou a ser visto como o recurso mais importante e o reconhecimento do colaborador passou a crescer. Em contrapartida, o trabalhador precisou investir mais em suas competências de forma contínua.

O processo de treinar e capacitar, no passado, tinha como objetivo apenas deixar o funcionário apto para produzir mais em menos tempo. Hoje, o foco é gerir competências para torná-las essenciais, deixando a organização mais bem preparada para lidar com as demandas ambientais e o futuro.

Agora, podemos dizer que existe mais equilíbrio organizacional. A empresa faz seu papel gerando motivação e oferecendo contexto para o aumento das competências dos colaboradores. Esses, por sua vez, têm uma nova atitude em relação ao trabalho, ofertando ativos intangíveis, como a inteligência, para ajudar a organização a evoluir.

Como a transformação digital caminha junto da disrupção digital, ganhamos tecnologias para auxiliar na prática de treinamento de desenvolvimento. Por meio do e-learning — educação por plataformas on-line — é possível contar com:

  • mobile learning;
  • realidade virtual; 
  • MOOC (massive open on-line course).

Esses são apenas alguns dos exemplos de opções nas mãos dos gestores de pessoas. São todas maneiras dinâmicas de ensinar e facilitam o lado do treinando e do instrutor.

Quais os benefícios ao contar com ferramentas modernas?

Com relação aos benefícios de implementar, na empresa, ferramentas modernas como essas que citamos, temos os seguintes.

Mais engajamento

As soluções que auxiliam no treinamento e desenvolvimento (T&D) estão tão avançadas que proporcionam mais engajamento entre os colaboradores. Em vez de receberem o conhecimento de uma forma passiva, agora eles passam a interagir com os recursos tecnológicos, o que aumenta o interesse e a motivação por mudar e aprender.

Muitas ferramentas já trabalham com resoluções que usam gamificação, storytelling e realidade virtual. Softwares que estimulam a interação do treinando com um robô, que, por exemplo, responde perguntas sobre diferentes assuntos — é bastante ágil e, interativamente, também costumam atrair bastante.

Melhor compreensão dos conteúdos

Por haver aumento da motivação dos funcionários em aprender um conteúdo, a apreensão da lição fica mais sedimentada. Esse fato também contribui para que haja mais atenção a cada ensinamento ou prática.

Isso tudo pode ser alcançado por meio de softwares que transmitem uma mensagem de maneira clara e divertida, usando testes dinâmicos, simulação de sistema, histórias com diálogos, entre outros.

Aumento do comprometimento no trabalho

Com o aumento dos conhecimentos de cada colaborador (por meio de processos lúdicos, interativos e personalizado), eles passam a entregar resultados mais relevantes. A motivação para trabalhar também tende a aumentar, já que passam a enxergar mais valor em si mesmos e a sentirem mais reciprocidade da organização com relação às suas entregas. Com isso, uma relação de mais lealdade passa a existir.

Colaboração para a melhoria do clima organizacional

Toda esse sentimento de reciprocidade, o aumento da satisfação com relação ao trabalho (e, com isso, da autoestima profissional) colabora para a melhoria do clima organizacional. Absenteísmos, rotatividade, doenças típicas do trabalho diminuem.

Esses fatos são sentidos também pelos clientes, que têm serviços com qualidade e um atendimento mais agradável, aumentando as chances de retenção e lealdade.

Mais agilidade às necessidades

Por meio dssa revolução em T&D, a empresa sai ganhando ao contar com uma resposta mais ágil às suas necessidades. Como os processos são digitais, há: 

  • mais flexibilidade em mudanças;
  • maior facilidade de acesso por parte do colaborador; 
  • aumento da personalização do conteúdo; 
  • mais rapidez nos procedimentos.

Isso é essencial para atender às rápidas transformações advindas do ambiente externo.

A disrupção digital não é apenas um efeito advindo de todas as transformações. Ela é uma necessidade, visto que a não adaptação e a rigidez contribuem para a perda da competitividade no mercado.

Gostou do conteúdo? Quer fazer algo pelo crescimento da sua empresa? Entre em contato conosco e conheça nossas soluções!